GLOSSÁRIO DE LOGÍSTICA

ACF attainable cubic feet: espaço cúbico permitido.

ACKNOWLEDGEMENT of RECEIPT: confirmação de recebimento ou seja notificação relacionada a algo recebido.

ACURACIDADE: grau de ausência de erro ou grau de conformidade com o padrão.

ACURACIDADE do INVENTÁRIO: é o saldo correto dos itens, dividida pela total de itens verificados, vezes 100.

AD VALOREM: taxa de seguro cobrada sobre o frete ou tarifa alfandegária, percentualmente ao valor total dos produtos.

ADR articles dangereux de route: transporte de artigos perigosos.

AFRMM: adicional ao frete para renovação da marinha mercante.

AFTERMARKET: pós-venda.

AGVS automated guided vehicle system: sistema de veículo guiado automaticamente.

AIS automated information system: sistema automatizado de informações.

AILERON: dispositivo existente no bordo de fuga das asas do avião, próximo as pontas, utilizado para fazer as curvas.

ALTERNATE FEEDSTOCK: estoque de abastecimento alternativo.

ANP automated negotiation protocol: protocolo de negociações automatizadas.

ANSI X12 american national standards institute: conjunto de normas promulgadas para manuseio a documentos de compra via EDI.

APS advanced planning scheduling: planejamento da demanda do suprimento, programação, execução avançada e otimização.

ÁREA de EXPEDIÇÃO: é a área demarcada nos armazéns, próxima das rampas/plataformas de carregamento, onde os materiais que serão embarcados e/ou carregados são pré-separados e conferidos, a fim de agilizar a operação de carregamento.

ÁREA de QUEBRA: é a área demarcada nos armazéns, geralmente próxima da entrada, onde as embalagens, produtos e materiais recebidos são desembalados, separados, classificados e até reembalados de acordo com o sistema ou interesse de armazenamento do armazém/empresa.

ARMAZÉM ou WAREHOUSE: lugar coberto, onde os materiais/produtos são recebidos, classificados, estocados e expedidos.

ARMAZENAGEM: é a parte da logística responsável pela guarda temporária de produtos em geral pode ter uma variação de tipo de local físico, conforme característica e necessidade do produto, como por exemplo, local coberto, local descoberto, local com temperatura controlada, etc.

ARMAZENAGEM DINAMICA: consiste na armazenagem de de mercadorias em um sistema dinâmico derivado do Drive-Thru, onde os planos de carga estáticos-vigas/longarinas são substituídos por trechos de roletes ligeiramente inclinados, descendentes no sentido da entrada para saída, geralmente utilizando a propria gravidade para sua movimentação.

ASN advanced shipment notification: aviso antecipado de embarque, aos clientes informando quando seus produtos irão chegar.

ASSEMBLER to ORDER: fabricado somente por encomenda.

ATENDIMENTO de PEDIDOS: é a quantidade de pedidos atendidos prontamente, dividida pelo total de pedidos recebidos, vezes 100.

AUTO ID: identificação automática.

AUTO PORTANTE: sistema são as próprias colunas das estruturas de armazenagem que suportam todos os esforços próprios do edifício, seja nas laterais ou na cobertura. Em função disso, a estrutura tem que ser estudada especialmente para que possa receber diretamente as paredes exteriores. É utilizado para alturas acima de 20m e há tolerância tanto no projeto quanto na fabricação das estruturas mínimas. Estas exigências são necessárias, pois são utilizados transelevadores neste nível de altura.

AUTOMAÇÃO: é a automatização de processos/sistemas, tornando-os independente da atuação manual/repetitiva do ser humano.

AWB air waybill: conhecimento de transporte aéreo.

    MAWB (master air waybill – conhecimento principal de transporte aéreo)

    HAWB (house air waybill – guia de transporte aéreo emitida por um expedidor).

BL bill of lading: conhecimento de embarque marítimo, emitido pelo armador e preenchido pelo embarcador, assinado pelo comandante ou o agente do navio que confirma o recebimento de determinada carga a bordo (ou para embarque), e especificando, entre outros vários detalhes, o frete pago ou a ser pago no destino. É, ao mesmo tempo, um recibo de bordo, um título de posse e uma evidência de contrato de transporte, cujas cláusulas estão incorporadas no mesmo.

BACK ORDER: pedido em atraso.

BACK SCHEDULING: programação retrocendente.

BACK to BACK: consolidação de uma única expedição em um MAWB, abrangendo um HAWB.

BAIXA por EXPLOSÃO ou BACKFLUSHING: baixa no estoque de peças utilizadas na montagem de equipamentos ou produto.

BACKLOG: pedido pendente.

BAIA: denominação utilizada nas indústrias para áreas geralmente abertas, destinadas ao armazenamento de insumos, geralmente a granel. São numeradas para localização, identificação e controle.

BANGUELA: expressão do transporte rodoviário, significa andar desengrenado em ponto morto. Proibido pelo CTB art 231.

BAR CODE: código de barras.

BATCH PICK: separação em lote.

BATCH PROCESSING: processamento por lotes.

BATENDO LATA: expressão utilizada no transporte rodoviário, quando o caminhão volta vazio (não tem carga de retorno).

BIG BAG: expressão popular de se chamar os contentores flexíveis, geralmente de polietileno, mais comum ao transporte de cal.

BLOCAGEM: expressão utilizada no transporte rodoviario, sistematiza a unitização de mercadorias para a facilitar a sua movimentação. No transporte ferroviario, o termo é utilizado para realização de blocos de vagões, geralmente blocos de 5.

    BLOCK STACKING: empilhamento simples sem uso de porta-paletes, no qual os paletes são empilhados no chão.

    BLOCK SCHEDULING: programação por blocos.

BLUETOOTH: comunicação sem fio entre aparelhos.

BOARDS: primeiro nível da administração, missão, proteger, valorizar o patrimônio, bem como maximizar o retorno do investimento.

BOMBORDO: lado esquerdo do navio.

BONDED WAREHOUSING: armazém alfandegado.

BPF: boas práticas de fabricação.

BREAK BULK: expressão do transporte marítimo, é o transporte de carga geral, fracionadas, não homogênea ou conteinerizada.

BREAK-EVEN POINT: é o ponto de equíbrio ou nível de produção ou nível de volume de vendas a partir do qual o empreendimento ou negócio se torna rentável. Qualquer valor abaixo do ponto de equilíbrio significa prejuízo.

BROKER: pessoa que intermedia a compra e venda de serviços e produtos em troca de comissão.

BROKERAGE HOUSES: empresas especializadas em intermediar afretamento marítimo.

BSC balanced scorecard: indicadores de desempenho organizacional.

BTB ou B2B business to business: comércio eletrônico entre empresas.

BTC ou B2C business to consumer: comércio eletrônico de empresas para o consumidor.

BULK STORAGE: estocagem à granel.

BUSINESS INTELLIGENCE: conjunto de softwares que ajudam em decisões estratégicas.

CABOTAGEM: transporte marítimo feito pela navegação costeira nacional, que tem lugar entre portos de um mesmo país ou região.

CALADO: profundidade que cada navio está submerso. Tecnicamente é a distância da lâmina d’água até a quilha do navio.

CANTILEVER: é o sistema de armazenamento de mercadorias similar ao porta-pallets, ele é adaptado para armazenar produtos com dimensões, formas, volumes e pesos variados, tais como (tubos metálicos ou de PVC, madeiras, móveis…).

CAMINHÕES na PRATELEIRA: expressão do transporte rodoviário, que significa quando há ociosidade na utilização de caminhões, ficando parados à disposição de uma eventual utilização.

CAPATAZIA: é o serviço utilizado geralmente em portos e terminais ferroviários, onde profissionais autônomos, ligados a sindicatos ou de empresas particulares, executam o trabalho de carregamento, descarregamento, movimentação e armazenagem de cargas.

CARRETEIRO: é o motorista que conduz o seu próprio veículo (caminhão) no caso do transporte rodoviário.

CASCADING YIELD LOSS: é quando ocorre perda de rendimento em muitas operações e/ou tarefas.

CAVERNAME: é o conjunto de cavernas de um navio.

CHAPA: é a denominação dada ao profissional autônomo que é contratado para fazer o carregamento ou descarregamento da carga, na origem ou destino. Também utilizado como auxilio para localização de endereço da carga ou descarga, geralmente ficam posicionados em postos de combustível ou na beira da pista na entrada das grandes cidades.

CHATA: barcaça larga e pouco funda, com fundo chato e de pequeno calado, em geral sem propulsão própria, similar a uma balsa.

CHICOTES: são os cabos que fazem a ligação entre o cavalo mecânico e a carreta para a passagem de fios elétricos (luz da lanterna, luz de freios/ré e luz da placa do veículo) e para o sistema de ar de acionamento dos freios.

CIPA: é um grupo de pessoas escolhidas através de eleição e indicação da empresa para formar uma comissão interna de prevenção a acidendes. Finalidade prevenir acidentes, doenças decorrentes do trabalho, suportado pela CLT art 163.

CIM computer integrated manufacturing: manufatura integrada com computadores.

CLUSTER: são concentrações de empresas interligadas, que atuam em um mesmo setor com fornecedores especializados, provedores de serviços e instituições associadas.

COACH: facilitador, instrutor, entidade (pessoa, equipe, departamento, empresa, etc.), que atue como agregador das capacidades de cada elemento da cadeia (equipe, departamento, empresa, etc.).

COBERTURA MÉDIA: indicação de renovação do estoque no período (n). Cm = 12/cr ou periodo dividido por coeficiente de rotação.

COEFICIENTE de ROTAÇÃO: relação entre retiradas do estoque e seu próprio estoque médio: cr = saídas/estoque médio.

CODE STITCHING: tecnologia que permite decifrar e reconstruir os códigos de barras danificados ou truncados.
CÓDIGO Q (OFICIAL): é linguagem transmitida via rádio frenquencia, pelos componentes que executam operações não visuais em suas extremidades, elaborado para simplificar a linguagem entre individuos de linguas diferentes. O código foi adotados por operadores de patio a seguranças de patrimónios, é um sistema internacionalmente adotado pelas forças armadas. Trata-se de uma coleção padronizada de três letras, todas começando com a letra “Q”, criado aproximadamente em 1909 pelo governo britânico. Um total de quarenta e cinco códigos que foram incluída no serviço de regulamentação anexo à terceira convenção internacional de radiotelegrafia.
CÓDIGO Q (AMADOR): é a comunicação que os caminhoneiros utilizam para se comunicar através de radio freqüência, simplificando e utilizando gírias de cada região. As formas mais comuns utilizadas são:

    QRA – Nome da estação,

    QRB – Qual a sua distância?,

    QRD – Qual a sua localização?

COMBOIO: conjunto de veículos que seguem juntos para um mesmo destino, comulmente utilizado por motivo de segurança, tambem realizados com carros de transporte de munições e mantimentos que acompanham forças militares.

COMITÊ DRAFT: comitê de planejamento.

COMPRA ESPECULATIVA: é quando mesmo não havendo necessidade da aquisição, poderá ser feita, baseada em fatores como contratos, previsões de aumento de preços, incertezas da disponibilidade do material em um futuro próximo e políticas estratégicas.

CTI computer telephony integrated: sistema integrado de telefonia e computação.

CTRC ou CONHECIMENTO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGA: documento contratual emitido pela transportadora, comprovando a legalidade e limites e responsabilidade do transporte, que informa o valor do frete contratado, ele acompanha a carga durante todo seu percurso, quando o destinatário assina o recebimento em uma das vias. Basea-se nos dados da nota fiscal, tais como local de origem e destino, dados físicos da mercadoria.

CONSIGNAÇÃO: prática utilizada no comércio, onde o comerciante coloca a disposição no ponto de venda para pronta entrega, produtos de fabricantes/terceiros, sem que faça a aquisição dos mesmos. Somente irá adquirir, se vender, com isto, não precisa desembolsar antecipadamente na aquisição dos mesmos.

CONSOLIDAÇÃO de EXPORTAÇÃO: um agrupamento de empresas com o objetivo de juntar sinergias e aumentar a sua competitividade, reduzindo os riscos e os custos de internacionalização.

CONTEINER: equipamento de metal no formato de uma grande caixa, que serve para o transporte de diversos materiais, fazendo assim uma unitização de cargas, que ao estarem acondicionados no seu interior, não sofrem danos durante o percurso e nem em caso de transbordo para outros modais. Estão classificados basicamente em 20 e 40” pés.

    DRY BOX: totalmente fechado com portas somente nos fundos…

    BULK CONTAINER: É um container totalmente fechado, com aberturas no teto…

    VENTILATED: Esse tipo de container é utilizado para cargas que necessitam de circulação de ar…

    REEFER: É totalmente fechado com portas no fundo, com controle de temperatura…

    OPEN TOP: É um container sem teto…

    HALF HEIGHT: É um container sem teto utilizado para transportar minérios…

    OPEN SIDE: Esse tipo de container não tem uma parede lateral, pois é adequado para cargas que excedem a largura…

    FLAT RACK: Container sem as paredes laterais e sem teto é adequado para cargas pesadas e grandes…

    FCL full container load: contêiner completo…

    PLATFORM: sem paredes laterais, cabeceiras e sem teto, tendo apenas o piso…

    IBC intermediate bulk container: contenedor intermediário para granel…

    TANK: Container tanque, próprio para transporte de líquidos em geral… ver mais

CONTAINER ON FLATCAR: consiste no transporte de um contêiner por um vagão ferroviário. Também há técnicas onde se alocam dois contêineres sobre o vagão,denominada doublestack, para aumentar a produtividade da ferrovia. Porém, ao contrário da Europa e dos EUA, no Brasil esta prática é restrita pela altura inadequada em túneis.

CONTINUOUS IMPROVEMENT: melhoria contínua componente essencial no JIT e na qualidade total que reflete uma determinação inabalável para eliminar as causas dos problemas. É o oposto da mentalidade de “apagar incêndios”.

CONTRACT LOGISTIC: operação delegada ao operador logístico.

CONVÉS: área da primeira coberta do navio.

CORE BUSINESS: relativo ao próprio negócio ou especialidade no negócio que faz.

COST DRIVERS: fatores direcionadores de custos.

COSTADO: chapas que revestem exteriormente as cavernas do navio.

COTA: quantidade especificada e limitada para produção, aquisição, importação ou exportação.

CPFR collaborative planning, forecasting and replenishment: planejamento colaborativo de previsão e reabastecimento.

CRM customer relationship management: gerenciamento do relacionamento com o cliente ou marketing one to one.

CRP continuous replenishment process: programa de reabastecimento contínuo.

CTB: código de trânsito brasileiro, criado em 23 de setembro de 1997, através da lei 9.503 entrou em vigor em 22 de janeiro de 1998, antes vigorava o código nacional de trânsito de 1966. Seu primeiro artigo “ trânsito seguro é um direito de todos e um dever dos orgãos e entidades do sistema nacional de trânsito”.

CTD combined transport document: documento de transporte combinado.

CROSS DOCKING: é uma operação de rápida movimentação de produtos acabados para expedição, entre fornecedores e clientes. “chegou e á sai” (transbordo sem estocagem).

CUBAGEM ou CUBAGE: volume de estoque ou transporte. Calcula-se o m³ multiplicando-se o comprimento pela largura e pela altura.

CUSTO LOGÍSTICO: é a somatória do custo do transporte, do custo de armazenagem e do custo de manutenção de estoque.

CUSTO de FALTA ou STOCKOUT COST: é o custo considerado pela falta de um item, por falta de estoque, quando se recebe um pedido. Este custo pode ser variado, devido a se perder um pedido total ou parcial, pelo custo de se repor de forma urgente ou pelo custo de se alterar toda a programação de produção para fabricá-lo.

CUSTO de OBSOLESCÊNCIA ou OBSOLESCENCE COST: é o custo de se manter em estoque itens obsoletos ou sucateados. Geralmente os itens obsoletos são componentes de equipamentos ou máquinas fora de linha de fabricação.

CUSTO de OPORTUNIDADE ou OPPORTUNITY COST: é a taxa de retorno do capital investido que uma empresa ou pessoa espera ter, referente a um investimento diferente dos habituais ou normais que utiliza.

CUSTO do CAPITAL em ESTOQUE (MATERIAIS EM PROCESSO): é o valor médio do estoque em processo, vezes custo do capital, dividido pela receita operacional líquida vezes 100%.

CUSTO do CAPITAL em ESTOQUE (MATÉRIAS-PRIMAS): é o valor médio do estoque de matérias-primas, vezes custo do capital, dividido pela receita operacional líquida, vezes 100%.

CUSTO do CAPITAL em ESTOQUE (PRODUTOS ACABADOS): é o valor médio do estoque de produtos acabados, vezes custo do capital, dividido pela receita operacional líquida vezes 100%.

CUSTO do PEDIDO ou ORDER COST: é o custo considerado somando basicamente as operações de fazer a solicitação a compras, acompanhar seu atendimento, fazer o recebimento, inspecionar quando da chegada, movimentá-lo internamente e fazer seu pagamento.

  • DATA MINING: mineração de dados.

    DATA WAREHOUSE: armazenamento de dados.
    DEFLETOR: equipamento fabricado em fibra e instalado na parte superior e nas laterais da cabine do caminhão. Tem sua finalidade reduzir o coeficiente aerodinâmico ou o coeficiente de arrasto conseqüentemente realizar a redução de consumo de combustível dos veículos. Em estudos geralmente proporciona uma variação de 10 a 15% de ganho no consumo dependendo da velocidade determinada e condições da pista, são geralmente instalados em caminhões que possuem baús em suas carrocerias.
    DEMAND CHAIN MANAGEMENT: gerenciamento da cadeia de demanda.

    DEMANDA: em busca ou em procura de um produto ou serviço no mercado.

    DEMURRAGE ou SOBREESTADIA: multa determinada em contrato, a ser paga pelo contratante de um navio, quando este demora mais do que o acordado nos portos de embarque ou de descarga.

    DESPATCH ou PRESTEZA: prêmio determinado em contrato, a que faz jus o contratante de um navio, quando este permanece menos tempo do que o acordado nos portos de embarque ou de descarga.

    DFM design for manufacturing: projeto para manufatura.

    DISTRIBUIÇÃO: é a parte da logística responsável pelo transporte de forma pulverizada, para cada cliente ou ponto de venda.

    DOCAS ou DOCKS: é o local intermediário que as mercadorias ficam entre a expedição e os transportes (vários modais), a fim de facilitar e agilizar a operação de carregamento e descarregamento.

    DORMENTE: nome dado às travessas, geralmente de madeira, em que assentam os carris da linha ferroviária.

    DOWNSIZING: redução de níveis hierárquicos na organização, objetivo de aproximar os níveis operacionais da alta direção.

    DRAGAGEM : serviço de aprofundamento ou de manutenção do calado.

    DRAWBACK : o regime aduaneiro consiste na suspensão de tributos sobre importação para utilização em produto exportado, faz com que exista redução dos custos de produção de produtos exportáveis, tornando-os mais competitivos no mercado internacional. Podem ser na modalidade isento, suspenso e ou a restituir. O regime de drawback concede isenção ou suspensão dos tributos:

        imposto de importação – ii;

        imposto sobre produtos industrializados – ipi;

        imposto sobre circulação de mercadorias e serviços – icms;

    adicional ao frete para renovação da marinha mercante – afrmm;

    dispensa do recolhimento de taxas que não correspondam à efetiva contraprestação, nos termos da legislação em vigor.

    DRP distribution resource planning: planejamento dos recursos de distribuição.

    DSE: declaração simplificada de exportação.

    DUMPING: é quando há subsídios e produtos a um custo menor do que o real de fabricação.

EAI enterprise application integration: que faz a integração de sistemas internos.

EADI: estação aduaneira interior.

EAV: engenharia e análise do valor.

ECR efficient consumer response: resposta eficiente ao consumidor.

EDI electronic data interchange: intercâmbio eletrônico de dados.

ELQ economic logistic quantity: é a quantidade que minimiza o custo logístico.

EMBALAGEM ou PACKAGE: envoltório, aplicado diretamente ao produto para proteção, preservação até o consumo/utilização final.

EMPOWERMENT: dar autonomia ao grupo/equipe/estabelecimento e responsabilidade às pessoas na tomada de decisões.

ENDING INVENTORY: inventário final.

ENDOMARKETING: marketing interno realizado por um conjunto de ações desenvolvidas para conscientizar, e/ou motivar o indivíduo.

EOM electric overhead monorail: monotrole aéreo eletrificado.

EOQ economic order quantity: lote econômico.

EPI: equipamento de proteção individual.

E-PROCUREMENT: processo de cotação de preços, compra e venda on-line.

ERGONOMIA: ciência que estuda a adaptação do ambiente às medidas do corpo humano, considerando assim a interação perfeita entre os funcionários e o ambiente de trabalho, como luz, calor, ruídos, odores e os equipamentos e ferramentas utilizados.

ERP enterprise resource planning: planejamento dos recursos do negócio.

ESTAMPADO: termo utilizado em produção, são peças feitas, geralmente de chapas, que sofrem a pressão (impacto) de uma prensa, ficando definidas suas formas, de acordo com o molde da ferramenta utilizada.

ESTIBORDO: lado direito do navio.

ESTIVADOR: empregado das docas que trabalha na carga e decarga dos navios.

ESTOQUE: é a parte da logística responsável pela guarda de produtos e uma das atividades da armazenagem. Geralmente este termo é utilizado para produtos acabados, pode ter uma variação de tipo de local físico, conforme característica e necessidade do produto, como por exemplo, local coberto, local descoberto, local com temperatura controlada, etc.

    ESTOQUE de PROTEÇÃO ou HEDGE INVENTORY: é feito quando excepcionalmente está previsto um acontecimento que pode colocar em risco o abastecimento normal de estoque e gerar uma quebra na produção e/ou vendas. Normalmente são greves, problemas de novas legislações, período de negociação de nova tabela de preços, etc.

    ESTOQUE de SEGURANÇA ou SAFETY STOCK: quantidade mantida em estoque para suprir nas ocasiões em que a demanda é maior do que a esperada e/ou quando a oferta para repor estoque ou de matéria-prima para fabricá-la é menor do que a esperada e/ou quando o tempo de ressuprimento é maior que o esperado e/ou quando houver erros de controle de estoque que levam o sistema de controle a indicar mais material do que a existência efetiva.

    ESTOQUE em TRÂNSITO: tempo no qual as mercadorias permanecem nos veículos de transporte durante sua entrega.

    ESTOQUE INATIVO: refere-se a itens que estão obsoletos ou que não tiveram saída nos últimos tempos. Este tempo pode variar, conforme determinação do próprio administrador do estoque.

    ESTOQUE MÁXIMO: refere-se a quantidade determinada previamente para que ocorra o acionamento da parada de novos pedidos, por motivos de espaço ou financeiro.

    ESTOQUE MÉDIO: quantidade determinada previamente, considera a metade do lote mais o estoque de segurança.

    ESTOQUE MÍNIMO: refere-se a quantidade determinada previamente para que ocorra o acionamento da solicitação do pedido de compra. Às vezes é confundido com “estoque de segurança”. Também denominado “ponto de ressuprimento”.

    ESTOQUE PULMÃO: refere-se a quantidade determinada previamente e de forma estratégica, que ainda não foi processada. Pode ser de matéria-prima ou de produtos semi-acabados.

    ESTOQUE REGULADOR: é normalmente utilizado em empresas com várias unidades/filiais, onde uma das unidades tem um estoque maior para suprir possíveis faltas em outras unidades.

    ESTOQUE SAZONAL: refere-se a quantidade determinada previamente para se antecipar a uma demanda maior que é prevista de ocorrer no futuro, fazendo com que a produção ou consumo não sejam prejudicados e tenham uma regularidade.

ETA: expressão do transporte marítimo, que significa dia da atracação (chegada).

ETS: expressão do transporte marítimo, que significa dia da saída (zarpar).

EVA economic value added: valor econômico agregado.

FEEDER: serviço marítimo de alimentação do porto hub ou de distribuição das cargas nele concentradas. O termo feeder também pode se referir a um porto secundário (alimentador ou distribuidor) em determinada rota. Cabe salientar que um porto pode ser hub para determinadas rotas de navegação e feeder para outras.

FEFO first expire, first out: primeiro que vence é o primeiro que sai. Serve para gerenciar a arrumação e expedição das mercadorias do estoque de acordo com o prazo de validade.

FIFO first in, first out: primeiro que entra é o primeiro que sai (peps).

FIO free in and out: isento de taxas no embarque e no desembarque. Despesas de embarque são do exportador e as de desembarque do importador. Nada de responsabilidade do armador.

FLAPE: dispositivo hipersustentador existente no bordo de fuga das asas dos aviões, próximo ao corpo da aeronave, que serve para aumentar a curvatura média do aerofólio, por meio de deslocamento do bordo de fuga para baixo. É utilizado nos pousos e decolagens, através de acionamento por alavanca. Existem 3 posições de inclinação.

FOOD TOWN: reunião de vários fornecedores a um cliente em comum.

FORECASTING: previsões de tempo.

FREIGHT FORWARDER ou EXPEDIDOR de FRETE: empresa ou profissional autônomo que são responsáveis por toda a operação que consiste em preparar a consolidação de cargas e seu transporte, da origem até o destino final. Esta preparação engloba todo o acerto da documentação necessária.

FULFILLMENT: conjunto de operações e atividades desde o recebimento de um pedido até sua entrega.

FUNDIÇÃO: termo utilizado em produção, que significa derreter metais com o calor e colocá-los em formas para a confecção de peças, que na maioria das vezes ainda passarão por outros processos até ser um produto final.

GARGALO ou BOTTLENECK: instalação/função/departamento que impede/atrasa a produção, sua capacidade é inferior à demanda.

GED: gerenciamento eletrônico de documentos.

GIRO DE ESTOQUE: demanda anual dividida pelo estoque médio mensal.

GIRO DE INVENTÁRIO: receita operacional líquida dividida pelo saldo médio do inventário (vezes).

GRADE: conjunto de trilhos e dormentes pré-reunidos.

GPS global positioning system: sistema de posicionamento global. Foi desenvolvido pelas forças armadas norte-americanas e é composto por um conjunto de 24 satélites que percorrem a órbita da terra a cada 12 horas. Esse sistema permite que através de dispositivos eletrônicos, chamados gps receivers (receptores gps), possam ser convertidos os sinais de satélites em posicionamentos, permitindo assim a localização geográfica de qualquer objeto no globo terrestre com uma precisão de metros.

GSM global system for mobile communications: sistema global para comunicações móveis.

HAWB house air waybill: guia de transporte aéreo emitida por um expedidor.

HINTERLAND: é o potencial gerador de cargas do porto ou sua área de influência terrestre. Ele depende, basicamente, do potencial de desenvolvimento da região em que o porto está localizado e dos custos de transporte terrestre e feeder.

HUB: ponto central para coletar, separar e distribuir para uma determinada área ou região específica.

ICO inventory chain optimization: otimização da cadeia dos estoques.

IFR: sigla usada na aviação para designar as regras de vôo por instrumentos.

INBOUND: dos fornecedores para as fábricas.

INCOTERMS: siglas elaboradas em 1936 pela cci (câmara internacional de comercio) com força jurídica e legal formaliza os contratos de exportação e importação de mercadorias, estabelecendo as regras e responsabilidades para os riscos do transporte de mercarias alem das fronteiras nacionais, definindo local de entrega, responsabilidade do frete, limites de seguro do transporte. Utilizado ao transporte marítimo as mesma se aplicam ao modal rodoviário mais adaptado e os utiliza basicamente nos termos mais usuais são o cif e o fob.

    EXW ex works: a mercadoria é colocada à disposição do comprador no estabelecimento do vendedor…

    FCA free carrier: transportador livre o vendedor está isento de responsabilidades…

    FAS free along ship: o embarcador encerra suas obrigações no momento em que a mercadoria desembaraçada…

    FOB free on bord: o embarcador se isenta dos custos relativos ao transporte de suas mercadorias…

    CFR cost and freight: o embarcador é o responsável pelo pagamento dos custos necessários…

    CIF cost, insurance and freight: o material cotado já tem tudo embutido no preço, ou seja, é posto no destino.

    CPT carriage paid: o embarcador contrata e paga o frete para levar as mercadorias desembaraçadas…

    CIP carriage and insurance paid: modelo CPT acrescido da contratação e pagamento do seguro até o destino.

    DAF delivered at frontier: o embarcador é responsavel por entregar a mercadoria desembaraçada…

    DES delivered ex ship: o embarcador é responsável por colocar a mercadoria à disposição do comprador…

    DEQ delivered ex quay: o embarcador é responsável em colocar a mercadoria à disposição do comprador…

    DDU delivered duty unpaid: o embarcador é responsável por colocar a mercadoria à disposição do comprador…

    DDP delivered duty paid: o embarcador é responsavel pela entrega da mercadoria desembaraçada…

ÍNDICE de FLEXIBILIDADE: representa a relação entre a média do lote de produção e a média do lote de entrega.

JIT just in time: sistema de entrega de matéria prima no momento e local exato que o cliente necessita para a produção de suas mercadorias, com as quantidades necessárias evitando-se assim a manutenção de maiores estoques.

JOINT VENTURE: associação de empresas, para explorar um negócio sem que nenhuma delas perca sua personalidade jurídica.

KAIZEN: palavra japonesa que significa processo de melhorias contínuas, com bom senso e baixos investimentos.

KANBAN: técnica de cartões, proporciona redução estoque, otimiza fluxo de produção, reduz as perdas e aumento da flexibilidade.

KLT klein lagerung und transport: acondicionamento e transporte de pequenos componentes.

LASTRO: expressão do transporte marítimo, que significa água que é posta nos porões para dar pêso e equilíbrio ao navio, quando está sem carga; no transporte ferroviário significa camada de substâncias permeáveis como areia, saibro ou pedra britada, posta no leito das estradas de ferro e sobre a qual repousam os dormentes.

LAYDAY ou LAYTIME: estadia do navio no porto, que significa período previsto para acontecer a operação (atracar, carregar e zarpar).

LEAD TIME: tempo compreendido entre a primeira atividade até a última de um processo de várias atividades.

LEAN MANUFACTURING: produção enxuta ou manufatura enxuta.

LEILÃO REVERSO ON-LINE: consiste em marcar com fornecedores, o horário e endereço na internet, para que façam lances para fornecerem produtos previamente informados pelo requisitante.

LEITURA OMNIDIRECIONAL: tecnologia que possibilita leitura do código de barras em qualquer posição, mesmo de difícil leitura.

LIMPA-TRILHOS ou SACA-BOI: peça que fica à frente/inferior das locomotivas para retirar da via os animais e objetos para evitar descarrilamento.

LLP leading logistics provider: principal fornecedor de serviços logísticos.

LOCALIZAÇÃO LOGÍSTICA: é a forma de identificar geograficamente armazéns, depósitos, filiais, veículos, clientes, etc., as formas mais comuns são por coordenadas de latitude-longitude, códigos postais (cep no brasil) e coordenadas lineares simples ou malha, que nada mais são do que se colocar um papel vegetal quadriculado sobreposto a um mapa, com numeração das linhas horizontais e verticais.

    LOGÍSTICA: é o sistema de administrar qualquer tipo de negócio de forma integrada e estratégica, planejando e coordenando todas as atividades, otimizando todos os recursos disponíveis, visando o ganho global no processo no sentido operacional e financeiro. (definição de marcos valle verlangieri, diretor do guia log).

    LOGÍSTICA: é o processo de planejar, implementar e controlar eficientemente, ao custo correto, o fluxo e armazenagem de matérias-primas e estoque durante a produção e produtos acabados, e as informações relativas a estas atividades, desde o ponto de origem até o ponto de consumo, visando atender aos requisitos do cliente. (definição do council of logistics management).

    LOGÍSTICA: entre os gregos, arte de calcular ou aritmética aplicada. Parte da arte militar relativa ao transporte e suprimento das tropas em operações. Lógica simbólica, cujos princípios são os da lógica formal, e que emprega métodos e símbolos algébricos. (definições do dicionário contemporâneo da língua portuguesa caldas aulete).

    LOGÍSTICA: do francês logistique, parte da arte da guerra que trata do planejamento e da realização de projeto e desenvolvimento, obtenção, armazenamento, transporte, distribuição, reparação, manutenção e evacuação de material ( para fins operativos e administrativos ); recrutamento, incorporação, instrução e adestramento, designação, transporte, bem estar, evacuação, hospitalização e desligamento de pessoal; aquisição ou construção, reparação, manutenção e operação de instalações e acessórios destinados a ajudar o desempenho de qualquer função militar; contrato ou prestação de serviços. (in, ferreira, aurélio buarque de hollanda, novo dicionário da língua portuguesa, 2ª edição, rio de janeiro, nova fronteira, 1986, p. 1045).

    LOGÍSTICA: o transporte; armazenamento e abastecimento de tropas; organização de qualquer projeto; operação (definições do american english dictionary collins gem webster’s).

    LOGÍSTICA EMPRESARIAL: trata-se de todas as atividades de movimentação e armazenagem, que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto de aquisição da matéria-prima até o ponto de consumo final, assim como dos fluxos de informação que colocam os produtos em movimento, com o propósito de providenciar níveis de serviço adequados aos clientes a um custo razoável. (definição de ronald h. ballou no seu livro “logística empresarial”).

    LOGÍSTICA REVERSA: o processo de movimentação de produtos de seu típico destino final para um outro local para fins de elevar o valor ora indisponível, ou para a adequada disposição dos produtos. (definição do rlec – reverse logistics executive council).

    LOGÍSTICA REVERSA ou INVERSA: no mercado é considerada como o caminho que a embalagem toma após a entrega dos materiais, no sentido da reciclagem das mesmas. Nunca voltando para a origem. Muitos profissionais também utilizam esta expressão para considerar o caminho inverso feito para a entrega, voltando para a origem, só que agora somente com as embalagens. Neste caso, tratam-se de embalagens reutilizáveis ou retornáveis, que são mais caras e específicas / próprias para acondicionar determinados materiais. Ocorre muito no setor automotivo para o transporte, por exemplo de pára-choques, painéis, etc.

LOTE ECONÔMICO ou LOTE de MÍNIMO CUSTO: considerando que para avaliar o gasto total de compra de determinado produto ou grupo de produtos é necessário verificar o custo de aquisição, custo de transporte, e custo de manutenção de estoque, e que quanto maior a quantidade adquirida menor o preço do produto e do transporte e maior o custo de manutenção do estoque, consiste em verificar através de arranjos de simulação, qual é o lote de compra que tem o menor custo total.

MAKE to ORDER: fabricação conforme pedido.

MAKE to STOCK: fabricação contra previsão de demanda.

MANICACA: nome utilizado no transporte aéreo para pilotos não hábeis na condução de aeronaves.

MANUTENÇÃO: realização de reparos com o objetivo de correção, prevenção de falhas.

    MANUTENÇÃO CORRETIVA: termo utilizado em produção, que siginifica o conjunto de medidas operacionais técnicas de vistoria, visando reparar efetivos problemas dos componentes das máquinas e equipamentos, que comprometam a performance e desempenho dos mesmos, para que possam executar sua função normal.

    MANUTENÇÃO PREDITIVA: termo utilizado em produção, que siginifica o conjunto de medidas operacionais técnicas de vistoria, que indica as condições reais de funcionamento das máquinas com base em dados que informam o seu desgaste ou processo de degradação. Trata-se da manutenção que prediz o tempo de vida útil dos componentes das máquinas e equipamentos e as condições para que esse tempo de vida seja melhor aproveitado.

    MANUTENÇÃO PREVENTIVA: termo utilizado em produção, que significa o conjunto de medidas operacionais técnicas de vistoria, visando evitar possíveis problemas dos componentes das máquinas e equipamentos, que comprometam a performance e desempenho dos mesmos, para que possam executar sua função normal.

MARGEM de CONTRIBUIÇÃO: é igual ao valor das vendas menos o valor dos custos variáveis e das despesas variáveis.

MARKET SHARE: parcela do mercado abocanhada ou participação no mercado.

MARKETING de RELACIONAMENTO: é um conjunto de estratégias que visam o entendimento e a gestão do relacionamento entre empresa e clientes, atuais e potenciais, objetivo é aumentar a percepção de valor da marca e rentabilidade ao longo do tempo.

MARKETPLACES: possibilitam que múltiplas empresas se comuniquem simultaneamente.

MEDIDAS de DESEMPENHO: são instrumentos utilizados para avaliar a performance de qualquer atividade logística. Podem ser relatórios, auditorias, etc., não se pode melhorar aquilo que não mensuramos.

MEMORY CARD: cartão destinado a armazenar informações como se fosse a memória do equipamento.

MES manufacturing execution systems: sistemas integrados de controle da produção.

MEZANINO: sistema em plataforma livre ou montado sobre pilares, estanterias ou Porta Pallets, altos e suficiente para permitir a estocagem ou outra atividade sob a mesma. Alternativamente, a plataforma metálica pode ser suportada pela própria estrutura de aço, sendo comumente acoplada com uma escada. A capacidade de carga por m2 pode variar de 300 à 1000kgf/m2.

MRP manufacturing requirements planning: sistema contempla o planejamento das necessidades de materiais.

    MRP II: sistema contempla o planejamento dos recursos da manufatura.

    MRP III: sistema contempla o mrp ii em conjunto com o kanban.

MÉTODOLOGIA: é o estudo dos métodos, ou então as etapas a seguir num determinado processo. Tem como objetivo captar e analisar as características dos vários métodos indispensáveis, avaliar suas capacidades, potencialidades, limitações ou distorções e criticar os pressupostos/implicações da utilização. A métodologia pode ser dividida em vários métodos até chegar em seu objetivo.

    5S: é o método de origem japonesa para a organização dos ambientes…

    ABC: método contábil de custeio baseado em atividades, melhor entendimento sobre como e onde realiza seus lucros…

    BENCHMARKING ou MARCOS REFERENCIAIS: processo comparando uma empresa com outras…

    BRAINSTORMING: técnica de reunião em que os participantes expõem livremente suas idéias…

    BUDGET: refere ao orçamento anual que algumas empresas utilizam para visualizar os custos…

    CÁLCULO de NECESSIDADES: é o método de programação da produção, baseado na demanda…

    CEP: controle estatístico do processo, é a métodologia para o controle de dados…

    COM critical path method: método do caminho crítico…

    CONSOLIDAÇÃO de CARGAS: consiste em criar grandes carregamentos a partir de vários outros pequenos…

    CRONOGRAMA: é estabelecer sequencialmente as tarefas/trabalhos…

    CURVA ABC: demonstra graficamente com eixos de valores e quantidades, classe “a”, “b” e “c”…

    DIAGRAMA de FLUXO: representação gráfica das variações ou fluxo de materiais…

    FLOW RACK: sistema de módulos de estrutura composta de trilhos com roletes deslizantes ao qual facilitam o deslocamento e seletividade de grande quantidade de pequenos itens embalados em caixas de pequenos volumes.

    FMEA: análise do modo de falha e efeito…

    FTS fold, tale, seal: dobra, fita, selo. É a sigla de um método de fechamento de sacaria…

    GRÁFICO de BARRAS ou GANTT: é um gráfico com todas as atividades seqüenciais…

    QFD quality funcion deployment: é a métodologia com base nas pessoas para determinar as necessidades…

    HOUSEKEEPING: técnica para iniciar e manter os processos de qualidade e produtividade em uma empresa…

    PEPS: é o método de armazenamento em que a mercadoria é a primeira a entrar no estoque e a primeira a sair…

    PDCA plan, do, check e action: ferramenta que implica na melhoria de todos os processos de fabricação ou de negócios…

    POKA-YOKE: palavra japonesa que significa métodos simples, que servem como a prova de falhas no processo…

    UEPS: método de armazenagem, em que o produto que é o último a entrar no estoque é o primeiro a sair…

    TEAM BUILDING: dinâmica de grupo em área externa…

    TQM total quality management: gestão da qualidade total…

    TQC total quality control: literalmente, controle da qualidade total…

    REENGENHARIA: é o método usado para reprojetar e reformar sistematicamente toda uma empresa…

    WORKFLOW: processo no qual a informação flui por toda organização… ver mais

MILK RUN: consiste na busca do produto diretamente ao fornecedor, de forma programada, para atender necessidade de abastecimento.

ML: milha terrestre.

MODAIS: são os tipos/meios de transporte existentes. São eles ferroviário (feito por ferrovias), rodoviário (feito por rodovias), hidroviário (feito pela água), dutoviário (feito pelos dutos) e aeroviário (feito de forma aérea).

MOVIMENTAÇÃO: é a parte da logística responsável pelo deslocamento interno de produtos em geral (acabados, matérias-primas, insumos, componentes, etc.). São utilizados vários tipos de equipamentos nesta operação, como empilhadeiras, tratores, veículos auto-guiados, carrinhos em geral, guindastes, etc.

MPS: planejamento-mestre da produção.

MPT ou TPM: manutenção produtiva total.

MRO: manutenção, reparo e operação.

MTM method time measurement ou redutor: redutor do tempo de execução do trabalho.

MAWB master air waybill: conhecimento principal de transporte aéreo.

MULTIMODALIDADE: é a operação de realizar o deslocamento de mercadorias entre a origem e o destino final, utilizando diversos modais de transporte, sob a responsabilidade legal e contratual de um único operador.

NÍVEL de SERVIÇO LOGÍSTICO: refere-se especificamente à cadeia de atividades que atendem as vendas, geralmente se iniciando na recepção do pedido e terminando na entrega do produto ao cliente e, em alguns casos, continuando com serviços ou manutenção do equipamento ou outros tipos de apoio técnico. (definição de warren blanding).

NM: milha marítima.

NVOCC: operador de transporte marítimo sem embarcação.

OBSOLECÊNCIA de INVENTÁRIO: é a quantidade de itens obsoletos, dividida pela quantidade total de itens, vezes 100%.

ODÔMETRO: instrumento usado para indicar o total de quilômetros percorridos.

OCR: reconhecimento óptico de caracteres.

OMBUDSMAN: palavra de origem sueca que significa “o homem que representa os interesses” ouvidor, profissional que tem como missão intermediar a comunicação entre o público e a empresa.

OPERADOR LOGÍSTICO: empresa especializada em movimentar, armazenar, transportar, processar pedidos e controlar estoques, entre outras coisas. Fornece seus serviços com profissionais treinados.

ORGANOGRAMA: gráfico da disposição estrutural e hierárquica de uma organização / empresa.

OTM: operador de transporte multimodal.

OUTBOUND: fluxos da fábrica para o concessionário.

OUTSOURCING: provedores de serviços ou terceirização. Tendência de comprar fora tudo o que não fizer parte do core bussiness.

PANTÓGRAFO: dispositivo de locomotiva elétrica, fica em contato com rede aérea e transmite a corrente aos motores da máquina.

PARCERIZAÇÃO: processo de conhecimento mútuo e aceitação, pelo qual duas empresas devem passar para estarem realmente integradas, visando mesmos objetivos.

PCM: planejamento e controle de materiais.

PCP: planejamento do controle de produção.

PDM product data management: é o gerenciamento de todas as informações e processos relativos ao ciclo de vida de um produto, sendo o período compreendido desde a concepção de um produto (projeto e produção) até sua obsolescência.

PEDIDO MÍNIMO: muitas empresas estabelecem um lote mínimo para aceitar uma ordem de compra, visando economias de escala para o atendimento. Desta maneira fazem baixar os custos do processamento de pedidos, já que para atender a um mesmo volume de negócios seria necessário um número maior de pedidos.

PÉ-DIREITO: altura de um pavimento de imóvel (galpão, armazém, edifício, casa).

PÉLAGO: profundidade do mar; mar alto.

PERT project evaluation and review technique: técnica de avaliação e revisão de projetos.

PICK and PACK: separação, etiquetação e realização do embalamento dos materiais.

PLANEJAMENTO para CONTINGÊNCIAS: é planejar para alguma circunstância extraordinária que paralise a operação normal do sistema logístico. Estas contingências podem ser acidentes, greves, produtos defeituosos, paradas no suprimento, etc., para toda a ocorrência prevista deverá ter um plano de ação emergencial previsto para ser colocado em prática.

PONTO de RESSUPRIMENTO: quantidade determinada para que ocorra o acionamento da solicitação do pedido de compra.

PORTA PALLETS: sistema de armazenamendo de mercadorias em pallets, considerada uma solução simples, adaptável a qualquer tipo de carga e volume. Normalmente utilizado com empilhadeiras, permite acesso rápido e individualizado a qualquer pallet armazenado no sistema que consta em estrutura de metal, com colunas e ruas

PORTA PALLETS DESLIZANTE: trata-se de um sistema de estruturas Porta Pallets sobre trilhos, ao qual facilitam o quantitativo de estocagem, pois trata-se de um sistema que utiliza somente um corredor para movimentação da empilhadeira, pois conforme a necessidade é acionado automaticamente ou manualmente a abertura de um outro corredor. A blocagem neste tipo de sistema é de 95% do espaço fisico disponível e com a vantagem de uma seletividade de 100%.

POPA: parte posterior do navio.

POSTPONEMENT: retardamento da finalização do produto até receber de fato o pedido customizado.

PPCP: planejamento, programação e controle da produção.

PRANCHA de CARREGAMENTO: norma de operação dos portos, é a tonelagem mínima que será operada num período de 6hs.

PROA: parte anterior do navio.

PRODUTO LOGÍSTICO: o que uma empresa oferece ao cliente com seu produto é satisfação. Se o produto for algum tipo de serviço, ele será composto de intangíveis como conveniência, distinção e qualidade. Entretanto, se o produto for um bem físico, ele também tem atributos físicos, tais como peso, volume e forma, os quais tem influência no custo logístico. (definição de ronald h. ballou).

PROJECT TEAM: equipe de força tarefa.

PROPOSTA: é o documento qual o fornecedor torna oficial a sua oferta comercial e técnica de serviços ao requisitante.

PROVEDOR LOGÍSTICO: fornece serviços baseados nas áreas da logística.

PUSH BACK: a utilização de estruturas para estocagem de pallets que permite a colocação da carga paletizada sobre uma base móvel de um lado só, o primeiro pallet colocado é empurrado pelo pallet subsequente para o interior da estrutura, que pode ter até 5 pallets na profundidade.

PULMÃO: utilizado geralmente em fábricas, serve para proteger as atividades de produção, baseado em tempos e quantidades suficientes para não interromper o fluxo contínuo, considerando variáveis de demandas, ou mesmo de gargalos operacionais.

QR: resposta rápida.

QS 9000 quality system requirements: norma criada pelas três maiores empresas automobilísticas americanas: ford, general motors e chrysler. Seu objetivo é a redução de sistemas paralelos de desenvolvimento de fornecedores pelas montadoras, com vistas a uma conseqüente redução substancial de custos. Exige-se a melhoria contínua.

QUIKE STEP: passo acelerado.

RACK: elaborado para realizar a unitização de produtos que são armazenados fora de padrão (pallests), o emprego dos racks permite de fato, aproveitar a altura disponível porque este sistema pode ser dotado com facilidade, de equipamentos mecanizados para o transporte ou a elevação das mercadorias. Podem ser empilhados uns sobre os outros com boa segurança, sem transferir o peso para as mercadorias. Mais comuns em transporte de motores, caixa de marcha, motos, entre outros…

RAMPAS de ESCAPE: utilizadas principalmente no transporte rodoviário, são dispositivos especiais, posicionados em determinados pontos das rodovias, projetados para permitir uma saída de emergência para veículos que apresentem falhas ou perdas de freios em declives íngremes, retirando-os do fluxo de tráfego e dissipando as suas energias pela aplicação de resistência ao rolamento, desaceleração gravitacional ou ambas.

RECHEGO: expressão utilizada em portos, que caracteriza a movimentação de cargas entre pátios, feita por tratores e/ou outros equipamentos de movimentação.

REDEX: recinto especial para despacho aduaneiro de exportação.

RFDC radio frequency data colection: coleta de dados por radio freqüência.

RFID radiofrequency identification data: identificação via radiofreqüência.

RNTRC: registro nacional de transportadores de carga.

ROTA ou PLANO de VIAGEM: é o percurso escolhido para o transporte, por veículos, através de vias terrestres, rios, corredores marítimos e/ou corredores aéreos, considerando a menor distância, menor tempo, menor custo ou uma combinação destes. Tudo isto, podendo estar conjugado com múltiplas origens e destinos.

ROTATIVIDADE: quantidade em que um estoque se renovou (ra = ca/em) onde ca é o consumo/ano e em é a média aritmética dos 12 estoques mensais.

ROUGH CUT: corte bruto.

SAC ou CUSTOMER SERVICE: serviço de atendimento ao consumidor ou cliente.

SALDO DISPONÍVEL: é a quantidade física em estoque, já abatendo as quantidades em estoque que estão reservadas.

SCANNER: aparelho ou sistema eletrônico que converte através de leitura ótica, informações codificadas em numeração alfanumérica ou simbolização em barras.

SCE supply chain execution: execução da cadeia de abastecimento.

SCM supply chain management: gerenciamento da cadeia de abastecimento.

SCOR supply chain operation model: modelo de referência das operações na cadeia de abastecimento. Foi crido pelo supply chain council (usa) visando padronizar a descrição dos processos na cadeia de abastecimento.

SELOS VERDES: certificações que validam a origem e a produção de materiais com manejo ecologicamente correta, e que não geram grandes impactos ao meio ambiente. Também atestam a veracidade dos critérios de responsabilidade social e ambiental pontuados em seu rótulo.

    ECOCERT: produtos e serviços vegetarianos, produtos orgânicos e insumos…

    FSC forest stewardship council: empreendimento ou produto florestal…

    IBD instituto biodinâmico: produtos de limpeza, cosméticos, alimentos e algodão orgânico…

    LEED liderança em energia e design ambiental: edificações e construções…

    IMAFLORA instituto de manejo e certificação florestal e agrícola: Produtos agrícolas como frutas, café, cacau e chá…

    PROCEL: equipamentos eletrônicos e eletrodomésticos…

    USDA united states department of agriculture: produção vegetal/animal ou projetos de extrativismo, comercialização… ver mais

SET UP: tempo compreendido entre a parada de uma maquina de produção, para a manutenção e a sua volta a produção.

SHIP BROKER: agente marítimo.

SHIPPING ou EXPEDIÇÃO: departamento de uma empresa que de posse da nota fiscal ou uma pré-nota fiscal identifica, separa, embala, pesa (se necessário) e carrega os materiais nos veículos de transporte.

SIDETRACK ou CAMINHO ALTERNATIVO: é quando se utiliza um percurso diferente do habitual ou previsto, por variados motivos (trânsito ruim, segurança, etc.).

SIL: sistema de informações logísticas, providencia a informação especificamente necessária para subsídio da administração logística em todos os seus níveis hierárquicos.

    Para a alta administração serve para planejamentos, políticas e decisões estratégicas;

    Para a média gerência serve para planejamentos e decisões táticos;

    Para a supervisão serve para planejamentos, decisões e controles operacionais;

    Para o operacional serve para processamentos de transações e resposta a consultas.

SILO: depósito impermeável para armazenamento de granéis com aparelhamento para carga por cima e descarga por baixo.

SKU stock keeping unit: unidade de manutenção de estoque. Designa os diferentes itens de um estoque.

SLA service level agreement: acordo sobre o nível de serviço.

SLM service level management: gerenciamento do nível de serviço.

SMART TAG ou E-TAG: etiqueta inteligente que possui um microchip capaz de armazenar várias informações, como data de validade, lote de fabricação, descrição do produto, etc., os dados transmitidos por radiofrequência a um equipamento de leitura.

SOBRETAXA ou SURCHARGE: taxa adicional cobrada além do frete normal.

STAKEHOLDERS: significa depositários, pessoas/grupos com interesse na performance de organização e no meio ambiente na qual opera.

STOCK OPTIONS: programa de ações – um incentivo que permite aos funcionários comprar ações da empresa onde trabalham por um preço abaixo do mercado.

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: gerenciamento da cadeia de abastecimento.

TACÓGRAFO: instrumento destinado a registrar movimentos ou velocidades; tacômetro registrador.

TACÔMETRO: aparelho que serve para medir o número de rotações por minuto do motor.

TAQUÍMETRO: o mesmo que tacômetro.

TARA: peso de veículo sem carga, ao se pesar o total subtrai-se a tara, chegando-se assim ao peso da carga.

TAXA de VALOR LIBERADO ou RELEASED-VALUE RATES: taxa baseada sobre o valor do transporte.

TÊMPERA: palavra utilizada no setor de produção, que significa o processo de tratamento térmico nos aços, para que obtenha maior dureza e resistência mecânica. Consiste no aquecimento do mesmo até ficar avermelhado e em seguida é resfriado bruscamente colocando-o na água ou no óleo. Esta operação faz com que haja uma aglutinação das moléculas do aço, tornando-o mais rígido e resistente. Geralmente é feito em setores das peças/ferramentas que sofrerão forte impacto durante sua vida útil, ou ação constante em outras peças ou mesmo de outras peças.

TEMPO de COMPRA: é o período compreendido entre a data de recebimento, pelo departamento de compras, do pedido de compra (via papel ou sistema) até a data do fechamento do pedido.

TEMPO de FORNECIMENTO: é o período compreendido entre o fechamento do pedido de compras junto ao fornecedor, até a data de entrega dos materiais no local combinado.

TEMPO de RECEBIMENTO: é o tempo compreendido entre a chegada do material, até a liberação do mesmo para estoque, após ter sido feita toda a conferência de quantidades, documentos, material (quebras, testes, se é o mesmo que foi solicitado, etc.).
TEMPO de RESSUPRIMENTO: é a somatória de todos os tempos, ou seja, o tempo do pedido de compra mais o tempo de compra, mais o tempo de fornecimento, mais o tempo de transporte, mais o tempo de recebimento. Compreende o fechamento do círculo, entre a requisição por parte do usuário final, até o material estar disponível para utilização.

TEMPO de TRANSPORTE: é o período compreendido entre a data de entrega do material no local combinado, até a chegada do mesmo no local de destino.

TEMPO do PEDIDO de COMPRA: é o período compreendido entre a requisição (via papel ou sistema) do usuário, até a aprovação final dos seus superiores, formalizando assim o documento (via papel ou sistema), seguirá para o departamento de compras.

TEU twenty foot equivalent unit: tamanho padrão de contêiner intermodal de 20 pés.

TIME to MARKET ou TEMPO até o MERCADO: é o tempo necessário para projetar, aprovar, construir e entregar um produto.

TKU: toneladas transportadas por quilômetro útil.

TOUCH SCREEN: tela sensível ao toque.

TPA: trabalhadores portuários avulsos.

TRADE-OFF ou COMPENSAÇÃO: o resultado incorre em um aumento de custos em uma determinada área com o intuito de obter uma grande vantagem em relação as outras (aumento de rendimento e lucro).

TRAILER ON FLATCAR: consiste em colocar uma carreta (semi-reboque) sobre um vagão plataforma. Esta técnica teve origem nos EUA e também é conhecida como piggyback, e tem como principal benefício reduzir custos e tempo com transbordo de carga entre os modais, evitando com isso investimentos em equipamentos de movimentação em terminais rodo-ferroviários.

TRANSBORDO ou TRANSHIPMENT: transferir mercadorias/produtos de um para outro meio de transporte ou veículo, no decorrer do percurso da operação de entrega.

TRANSPORTE: é a parte da logística responsável pelo deslocamento de cargas/pessoas, através dos vários modais existentes.

TRANSPORTE INTERMODAL: é a integração dos serviços de mais de um modo de transporte, com emissão de CTRC independentes, com a responsabilidade do embarcador.

TRANSPORTE MULTIMODAL: é a integração dos serviços de mais de um modo de transporte, entre diversos modais existentes, sendo emitido apenas um único CTRC, que é o OTM.

TRAPICHE: armazém de mercadorias junto ao cais.

TMS transportation management systems: sistemas de gerenciamento de transporte.

TURNOVER: palavra em inglês, que na tradução quer dizer: rotatividade; movimentação; giro; circulação; medida da atividade empresarial relativa ao realizável a curto prazo; vendas.

UMLAND: entende-se pelo ambiente físico portuário, o porto em si, suas instalações, tarifas e a qualidade dos serviços que presta.

UNIQUENESS: expressão utilizada sobre a organização / empresa que é muito difícil de ser copiada.

UNITIZAÇÃO: é agregar diversos pacotes ou embalagens menores numa carga unitária maior.

UPC universal product code: código universal de produto.

VENTO de CALDA: expressão do transporte aéreo, que significa quando o vento está no sentido de direção da rota da aeronave.

VENTO de PROA: expressão do transporte aéreo, significa que o vento está no sentido oposto de direção da rota da aeronave.

VENTO de TRAVÉS: expressão do transporte aéreo, que significa quando o vento está no sentido de direção para a lateral da aeronave, tanto em vôo de cruzeiro como para pouso/decolagem.

VFR: sigla usada na aviação para designar as regras de vôo visual.

VÍDEO SUPERSTITIAL: são filmes publicitários (comerciais) feitos para serem exibidos pela internet. Possuem maior tecnologia e recursos de maior interação com o usuário.

VEÍCULOS e EQUIPAMENTOS de MOVIMENTAÇÂO:

    BALSA: embarcação utilizada em rios e canais para transporte de veículos e pessoas, geralmente pequenas distâncias.

    BARGE ou BARCAÇA: embarcação de baixo calado, utilizada em rios e canais com a finalidade de transportar produtos.

    BI-TREM: é o conjunto formado por carroceria com o conjunto de dois eixos e pelo menos quatro rodas, formando um conjunto de duas carrocerias puxadas por um só cavalo mecânico.

    BULK CARGO: navio carga à granel, ou seja, sem embalagem.

    BULK CARRIER: navio graneleiro, ou seja, próprio para o transporte de cargas à granel.

    CÁBREA: equipamento usado em portos para levantar grandes cargas pesadas ou materiais em obras, e que consta de 3 pontaletes unidos no topo onde recebem uma roldana por onde passa o cabo.

    CÁBREA FLUTUANTE: embarcação sobre o qual se instala uma cábrea, para embarcar ou desembarcar grandes pesos de navios e de outras embarcações.

    CARRETA BAÚ: é uma carreta fechada.

    CARRETA ISOTERMICA: é uma carreta fechada, com isolamento térmico em suas paredes, que conserva a temperatura da carga, geralmente acoplada de motor gerador individual para refrigerar.

    CAVALO MECÂNICO: é o conjunto monolítico formado pela cabine, motor e rodas de tração do caminhão. Pode ser engatado em vários tipos e carretas e semi-reboques, para o transporte.

    DOLLY ou ROMEU e JULIETA: um reboque com uma quinta roda, usada para converter um semi-reboque em reboque.

    EMPILHADEIRA ou FORK LIFT TRUCK: equipamento utilizado com a finalidade de empilhar/mover cargas.

    FEEDER SHIP: navios de abastecimento.

    MAXAMBOMBA: trole usado nos portos fluviais para o serviço de carga / descarga dos vapores; carruagem de estrada de ferro, com mais de um pavimento.

    REBOCADOR: pequeno vapor utilizado para rebocar navios ou manobrá-los com segurança em áreas dos portos.

    ROAD RAILER: esta é uma tecnologia que, como o próprio nome diz, não utiliza um vagão ferroviário convencional. Uma carreta adaptada é acoplada a um implemento ferroviário denominado bugie ferroviário, transformando-se assim num vagão ferroviário, tambem conhecido como carreta bimodal ou car less.

    SEMI-REBOQUE: é o conjunto monolítico formado pela carroceria com um eixo e rodas. É engatado no cavalo mecânico, ou ainda passa a ser utilizado como reboque, quando é engatado em um dolly.

    SIDELIFTER: é uma carreta com guindaste próprio para auto-embarque ou desembarque de conteineres.

    SIDER: tipo de carroceria de caminhão, que tem lonas retráteis em suas laterais.

    STV: veículo de transferência ordenado.

    TOCO: caminhão que tem o eixo simples na carroceria, ou seja, não é duplo.

    TRACKSTAR: veículo utilizado no setor ferroviário para verificação e manutenção dos trilhos, dormentes e geometria.

    TREMINHÕES: é o conjunto formado por um cavalo mecânico mais semi-reboque, engatado em 2 reboques, formando assim um conjunto de três carrocerias puxadas por um só caminhão.

    TRICK: é uma asa-delta motorizada que vem equipada com rodas e/ou flutuadores e assentos de fibra de vidro.

    TRUCK: caminhão que tem o eixo duplo na carroceria, ou seja, são 2 eixos juntos. O objetivo é aguentar mais peso e propiciar melhor desempenho ao veículo… ver mais

VCC: veículo combinado de carga…

VLC: veículo leve de carga…

VMC: veículo médio de carga…

VUC: veículo urbano de carga…

VMI vendor managed inventory: estoque gerenciado pelo fornecedor, que é quando o fornecedor em parceria com o cliente, repõe de forma contínua o estoque do cliente, baseado em informações eletrônicas recebidas.

VOICE PICKING: sistema via voz que funciona com um hardware, orientado por um gerenciamento de estoques WMS, os comandos transmitidos por um talkman ligado a um headset (fone de ouvido e microfone), começando pelo endereço do picking, para depois coletar as quantidades até completar o pedido. O processo de separação é direcionado para a doca de expedição para que o pedido possa ser enviado à loja que o solicitou. Este procedimento exclui a necessidade dos colaboradores trabalharem com papel e acelera a entrega dos pedidos.

VORLAND: significa o maior ou menor afastamento de um porto em relação às principais rotas de navegação ou sua área de abrangência marítima e, igualmente, influência a escolha do armador.

VU: sigla utilizada no transporte aéreo, que significa a velocidade que a aeronave atinge e não pode mais desistir de decolar.

WHARFAGE ou TAXA de ATRACAÇÃO: é a taxa cobrada pela administração de um porto para sua utilização, em operações de atracação, carga, descarga e estocagem nas docas e armazéns ligados ao porto.

WIRELESS: sistema de acesso sem fio.

WCS warehouse control systems: sistemas de controle de armazém.

WMS warehouse management systems: sistemas de gerenciamento de armazém.

XML extensible markup language: protocolo de comunicação.

ZONA de LIVRE COMÉRCIO ou ZONA FRANCA: é uma zona (local ou região de um estado ou país) onde os produtos ou materiais são considerados isentos de taxas e tarifas de importação.
 

VEJA MAIS EM: