O que é um porto Seco?

Porto Seco é um recinto alfandegado de uso público, administrado por uma entidade privada, que oferece serviços de armazenagem, movimentação, despacho aduaneiro de mercadorias importadas ou a exportar, em regime comum ou especial, sempre em área específica e delimitada pela Receita Federal do Brasil, de tal forma que o controle aduaneiro seja mantido desde a entrada até a nacionalização e entrega dos produtos ao consignatário, no caso da importação, ou embarcadas em transporte internacional, no caso de exportação.
Através destes, as exportações já chegam ao porto desembaraçadas, prontas para o embarque, diminuindo tráfegos, esperas e burocracias. E, para as importações, tiram-se os produtos dos portos e aeroportos com pouco (e caro) espaço de armazenagem.
Vantagens dos portos secos
Com eles, consegue-se uma integração mais efetiva com outros meios de transporte: tem-se acesso facilitado a um grande porto (marítimo ou fluvial), e é possível fazer da multimodalidade uma realidade.
Na atualidade, os portos secos são importantes aglutinadores logísticos, capazes de receber mercadorias no seu processo inicial e proceder com a montagem, etiquetagem e picking, além do processo de armazenagem e distribuição, podendo  oferecer tecnologias de ponta, capazes de gerenciar toda a logística aduaneira.
E, com um volume de cargas ainda muito inferior aos portos marítimos, uma vez que não executa os serviços operacionais de um porto, como carregar ou descarregar navios, oferecem vantagens como a agilidade do desembaraço aduaneiro. Devido o tempo de espera ser menor, promovendo redução do custo logístico, estimando-se uma redução nos custos totais de até 20% comparado aos portos e de até 70% quando comparado aos aeroportos.
Portos secos podem ser a saída?
Com os portos superlotados, sem espaços para movimentação e armazenagem de contêineres e carga geral, tornam-se uma alternativa viável, barata e eficaz para incrementar o comércio exterior e melhorar a competitividade das empresas brasileiras. Além disso, promovem o escoamento das mercadorias desembarcadas na zona primária e oferecem serviços adicionais aos quais os portos não estão preparados para executar.
Ademais, os portos secos se especializaram em oferecer soluções personalizadas às necessidades comerciais das empresas e se fixaram próximos aos grandes centros industriais e comerciais.
Desde a sua concepção, eles foram criados para atuarem de forma eficaz, trazendo economia e aumento de rentabilidade nos negócios internacionais dos mais diversos setores. Hoje, não há dúvida de que estes terminais alfandegados em zonas secundárias se tornaram um importante elo na logística aduaneira das operações de comércio exterior brasileira, reduzindo custos e prazos e contribuindo para o crescimento da economia nacional.

Paulo Roberto de Souza Alves .•.
Diretor Executivo – TERCA – Zilli Armazéns Gerais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *